O PROJETO DO ÊXODO

A obra, que pode ser considerada um modelo de leitura bíblica compõe-se do estudo do pensamento religioso manifestado em seis narrativas poéticas e duas tradições jurídicas do conjunto dos escritos que estabelecem o projeto do êxodo. São pesquisas literário-históricas interessadas na descrição das perspectivas teológico-éticas dos textos em questão. 

Para o autor é de grande importância que o leitor tenha presente as tradições bíblicas e se familiarize com algumas delas, sendo este o principal objetivo da obra. Por isso apresenta, para cada texto bíblico estudado, uma tradução literal do hebraico que tenta focalizar os elementos estilísticos, a estrutura literária e a riqueza do vocabulário do texto hebraico, de tal sorte que a tradução portuguesa deixe transparecer o melhor possível a "tradição" que o inspira. 

O primeiro texto estudado (Ex 2,11-15b) mostra o processo que levou Moisés a assumir sua vocação de libertador dos oprimidos. Em seguida, a narrativa de Êxodo 7,14-25 nos induz a pensar que as imagens da primeira praga carregam uma conotação simbólico-irônica, levando-nos a entender que a opressão consiste no fato de que o Egito não vive das águas do rio Nilo, mas do sangue dos escravos. Saído do Egito, o povo ainda não foi salvo. Precisa atravessar o deserto. Estuda-se o texto sobre a cura do povo (Ex 15,17-22): o conjunto da história ensina que a estada dos hebreus no deserto, após a sua saída da sociedade opressora, é, sobretudo, conseqüência de uma situação causada por uma elite poderosa, mas o povo dos oprimidos, por sua vez, é convidado a experimentar Iahweh como aquele que cura, o que, porém, exige a colaboração da comunidade dos libertados. 

Os cuidadosos estudos de Matthias Grenzer são exemplos notáveis entre nós de profissionalismo exegético e teológico. Mostram que os textos bíblicos constituem fonte inesgotável para refletir sobre a vida. Mesmo que não possam ser explorados, de um modo direto, para responder a todas as nossas perguntas atuais - uma vez que pertencem, originalmente, a um outro povo e a seu contexto histórico-cultural -, estabelecem modelos de fé e de comportamento que se revelam enriquecedores nos debates contemporâneos. Importante informação bibliográfica abrilhanta sobremaneira a obra e abre perspectiva para o aprofundamento de cada um dos aspectos analisados.

O PROJETO DO ÊXODO
R$20,00
O PROJETO DO ÊXODO R$20,00

A obra, que pode ser considerada um modelo de leitura bíblica compõe-se do estudo do pensamento religioso manifestado em seis narrativas poéticas e duas tradições jurídicas do conjunto dos escritos que estabelecem o projeto do êxodo. São pesquisas literário-históricas interessadas na descrição das perspectivas teológico-éticas dos textos em questão. 

Para o autor é de grande importância que o leitor tenha presente as tradições bíblicas e se familiarize com algumas delas, sendo este o principal objetivo da obra. Por isso apresenta, para cada texto bíblico estudado, uma tradução literal do hebraico que tenta focalizar os elementos estilísticos, a estrutura literária e a riqueza do vocabulário do texto hebraico, de tal sorte que a tradução portuguesa deixe transparecer o melhor possível a "tradição" que o inspira. 

O primeiro texto estudado (Ex 2,11-15b) mostra o processo que levou Moisés a assumir sua vocação de libertador dos oprimidos. Em seguida, a narrativa de Êxodo 7,14-25 nos induz a pensar que as imagens da primeira praga carregam uma conotação simbólico-irônica, levando-nos a entender que a opressão consiste no fato de que o Egito não vive das águas do rio Nilo, mas do sangue dos escravos. Saído do Egito, o povo ainda não foi salvo. Precisa atravessar o deserto. Estuda-se o texto sobre a cura do povo (Ex 15,17-22): o conjunto da história ensina que a estada dos hebreus no deserto, após a sua saída da sociedade opressora, é, sobretudo, conseqüência de uma situação causada por uma elite poderosa, mas o povo dos oprimidos, por sua vez, é convidado a experimentar Iahweh como aquele que cura, o que, porém, exige a colaboração da comunidade dos libertados. 

Os cuidadosos estudos de Matthias Grenzer são exemplos notáveis entre nós de profissionalismo exegético e teológico. Mostram que os textos bíblicos constituem fonte inesgotável para refletir sobre a vida. Mesmo que não possam ser explorados, de um modo direto, para responder a todas as nossas perguntas atuais - uma vez que pertencem, originalmente, a um outro povo e a seu contexto histórico-cultural -, estabelecem modelos de fé e de comportamento que se revelam enriquecedores nos debates contemporâneos. Importante informação bibliográfica abrilhanta sobremaneira a obra e abre perspectiva para o aprofundamento de cada um dos aspectos analisados.